Ir para o conteúdo

Prefeitura Municipal de Cachoeira do Sul - RS e os cookies: nosso site usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar você concorda com a nossa Política de Cookies e Privacidade.
ACEITAR
PERSONALIZAR
Política de Cookies e Privacidade
Personalize as suas preferências de cookies.

Clique aqui e consulte nossas políticas.
Cookies necessários
Cookies de estatísticas
SALVAR
CIDADÃO
EMPRESA
SERVIDOR
Prefeitura Municipal de Cachoeira do Sul - RS
Acompanhe-nos:
Rede Social Instagram
Rede Social Facebook
Notícias
Enviar para um amigo!
Indique essa página para um amigo com seus dados
Obs: campos com asterisco () são obrigatórios.
Enviando indicação. Por favor, aguarde...
SET
04
04 SET 2023
Práticas terapêuticas chegam às unidades da atenção básica
enviar para um amigo
receba notícias

Na esteira do Setembro Amarelo, campanha nacional de prevenção ao suicídio que será deflagrada este mês junto à rede de atenção básica, as práticas terapêuticas estão chegando às unidades do SUS como importantes aliadas à saúde mental. Embora as Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (PICS) sejam uma realidade na saúde pública municipal desde novembro de 2022, historicamente o serviço é unificado no Centro de Saúde Princesa do Jacuí, atualmente localizado na Avenida Brasil, 600. A novidade é que a partir da qualificação recente da primeira turma, três servidoras da saúde foram habilitadas e estão iniciando atendimentos de auriculoterapia nas unidades do Centro Social Urbano, Ponche Verde e Piquiri.

As práticas alternativas não substituem outras terapias, como as medicamentosas, mas são complementares no alívio da tensão, estimulam a circulação sanguínea e oxigenação cerebral, têm efeito relaxante e distensionam a musculatura, entre outros benefícios. “Elas diminuem o estresse, a ansiedade e tensão, trazendo bem-estar e melhor desenvolvimento no trabalho, tanto na execução de tarefas quanto no relacionamento com os outros”, acrescenta a coordenadora da ESF Ponche Verde, Anatacha de Quadros. Na unidade onde atua, a enfermeira vem aplicando a técnica desde a última segunda-feira (28/08), com boa receptividade e relato de bons resultados pelos usuários do SUS.

 

FORTE ALIADA NO TRATAMENTO PSICOLÓGICO

“A auriculoterapia alivia as dores do corpo e da alma, sem efeito colateral ou dependência química, e na ESF Ponche Verde a indicação médica mais recorrente tem sido no tratamento da ansiedade e seus reflexos, como enxaquecas, tensão muscular, insônia e transtornos emocionais”, avalia a servidora da saúde. Na opinião da enfermeira Carine Andrade, que está implantando o serviço na ESF Piquiri, a auriculoterapia será mais uma ferramenta significativa à disposição dos usuários do SUS que estejam em sofrimento mental. “No que se refere ao tratamento da depressão e da prevenção ao suicídio, que vamos destacar em nossas ações educativas durante o mês de setembro, a técnica vem agregar à abordagem clínica e medicamentosa”, destaca.

Na unidade do Centro Social Urbano, onde atua a terceira servidora recentemente qualificada a atuar na terapia alternativa, a enfermeira Andréia Porsch, a aplicação da técnica começou pelos colegas da equipe que, na opinião da profissional, serão os maiores aliados na recomendação desta diretamente aos pacientes. “É importante que os servidores tenham propriedade sobre a prática e seus benefícios porque, certamente, serão frequentemente questionados pelos usuários”. Na próxima semana, a ideia será começar a divulgação do novo serviço entre os frequentadores do posto e começar o agendamento dos horários aos interessados.

 

COMO FUNCIONA A AURICULOTERAPIA

A auriculoterapia é apenas uma das práticas integrativas em saúde, hoje desenvolvidas pela psicóloga Paula Gazzaneo Ayres no Centro Princesa do Jacuí, incluindo demais técnicas preconizadas pela medicina tradicional chinesa como Reiki, Cromoterapia, Aromaterapia, Florais, Barras de Access, entre outras. A técnica que está sendo descentralizada às unidades dos bairros é uma derivada da acupuntura e consiste em estimular pontos da orelha (pavilhão auricular) que, associados a órgãos e partes do corpo, trazem alívio a doenças, dores e desequilíbrios. O procedimento envolve pressão manual dos pontos e aplicação de sementes de mostardas nas regiões a serem trabalhadas.

Na rede municipal, a recomendação é de uma agenda definida através da indicação médica auxiliar ao tratamento clínico proposto ou através de demanda constatada através do acolhimento de enfermagem. O tratamento deve durar entre sete a oito semanas, com retorno a partir do quinto dia da aplicação inicial, e consultas periódicas para acompanhamento dos resultados.

 

O setembro amarelo na prevenção ao suicídio

O Setembro Amarelo é uma iniciativa do Centro de Valorização da Vida (CVV), do Conselho Federal de Medicina (CFM) e da Associação Brasileira de Psiquiatria e consiste na campanha nacional pela conscientização sobre a prevenção ao suicídio. No Brasil, o suicídio é considerado um problema de saúde pública e sua ocorrência tem aumentado muito entre jovens, sobretudo no período pós pandemia da Covid-19. De acordo com números oficiais do Ministério da Saúde, 32 brasileiros tiram a própria vida por dia em média, causando mais mortes que a AIDS e a maioria dos tipos de câncer.

O Sistema Único de Saúde (SUS) disponibiliza atendimento para pessoas em sofrimento psíquico por meio dos serviços da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS). A Atenção Primária à Saúde é a porta de entrada para o cuidado e desempenha papel fundamental na abordagem dos transtornos mentais, principalmente os leves e moderados, não só por sua capilaridade, como também por conhecer a população, o território e os determinantes sociais que interferem nas mudanças comportamentais, dispondo de melhores condições para apoiar o cuidado.

Diferentes níveis de complexidade compõem o cuidado, sendo os CAPS - Centro de Atenção Psicossocial, em suas diferentes modalidades, pontos de atenção estratégicos da RAPS. São serviços de saúde de caráter aberto e comunitário, constituídos por equipe multiprofissional e que atuam sobre a ótica interdisciplinar.

ONDE PROCURAR AJUDA

- CAPS e unidades básicas de saúde (saúde da família, postos e centros de Saúde).

- UPA 24H, SAMU 192 e HCB

- Centro de Valorização da Vida (CVV) – 188 (ligação gratuita)

 

UNIDADES QUE COMPÕEM A REDE DE SAÚDE MENTAL

Caps i (Centro de Atenção Psicossocial Infanto-Juvenil, na Rua Isidoro Neves da Fontoura, nº 426)

Caps II - (Centro de Atenção Psicossocial II, na Rua Marechal Floriano, nº 207)

Caps AD (Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Outras Drogas, Rua Saldanha Marinho, nº 536)

Ament (equipe multiprofissional de atenção especializada em saúde mental, na Rua David Barcelos, nº 568)

TeAcolhe (Centro Macrorregional de Referência em Transtorno do Espectro do Autismo, Rua 7 de Setembro, nº 440)

TeAtende  (Centro Municipal do Autismo, Rua David Barcelos, nº 568)

Autor: Viviane Souza
Seta
Versão do Sistema: 3.4.0 - 05/02/2024
Copyright Instar - 2006-2024. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia